00 Home

10 Aircraft

20 Carriers

30 Bases

40 Maps

50 R.O.E.

60 Crews

70 More

80 Story

90 Missions

11 Weapons

12 Armament

13 Targets

2018-02-21

Air Targets  –  Historical Data  –  WWII Vintage Aircrafts Used Post-War

WWII Vintage

-

Hawker  Hurricane

-

The Hawker Hurricane is often underrated when comparised with other WWII aircraft, partly because it dated from the mid 1930 and was naturally superseded by later designs enjoying better powerplants, but mainly because it was pitted against a soon-to-become legend : the Supermarine Spitfire.

The RAF initially aligned 709 Hurricanes and 372 Spitfires (a peak in August 1940) in 32 and 19 squadrons respectively.  During the first year of the conflict, the Hurricane is credited to have downed 1,500 enemy aircraft, which is about half of the confirmed RAF victories over the Luftwaffe, with Blenheims (...), Defiants (64), Gladiators (26) and Spitfires sharing the second half.

Accounting for their respective numbers (63% Hurricane, 37% Spitfire), the total number of enemy aircraft downed was in the proportion of 3 by Hurricanes to 2 by Spitfires, showing that both were equally good at the job.  Then, if one could say the Hurricane won the Battle of Britain, it's the Spitfire that got the credit for it, its graceful silhouette outshining it's brother-in-arms accomplishements.

Hawker Hurricane
Hurricane Serials
62305/39Va
62305/39Vb
62305/39Vc
Hurricane – RCAF
 
Sources: www.ukserials.com www.worldmilitair.com www.k5083.mistral.co.uk www.rwrwalker.ca
 
Index of content Specifications Production & Operators Hurricanes in Portuguese AF
-

SPECIFICATIONS

The ferry range (with 2× 90 gal drop tank) has not been identified.  The "flaps up" and "flaps down" stalling speed both pertain to the Mk.IV.

Hurricane MkI
31'05"x40'00"x13'11½"
Weapons
Internal
Weapons-External Engine Power
Max
Power
Extra
Fuel Weight
Empty
Weight
Full
Speed
Max
Range
Int.
Range
Extra
Climb
rate
Ceiling Speed
Stall
Run
T.O.
Run
Land
Hurricane MkII
32'03"x40'00"x13'03"
Guns RPG Bombs or Fuel or HVAR Merlin hp hp gal lb lb knot nm
@152
nm
@152
ft/min ft mph ft ft

Mk.I

8× 30  333     II/III 1030 1305 97 5251 6666 287 520 2520 36000 63-70 1050 615

Mk.I.Trop

8× 30  333     II/III 1030 1305 97 5377 6850 275 520 2400 33000 63-70 1050 615

Mk IA-Sea

8× 30  333     II/III 1030 1305 97 5220 6780 262 520 2000 31000 63-70 1050 615

Mk IB-Sea

8× 30  333     II/III 1030 1305 97 5220 6800 257 520 1950 30000 63-70 1050 615

Mk IC-Sea

4× 20  91     II/III 1030 1400 97 5220 6800 257 520 1950 30000 63-70 1050 615

Mk IIA

8× 30  333     XX 1185 1280 97 5454 7014 295 400 3150 41000 63-70 1200 675

Mk IIB

12× 30  333     XX 1185 1280 97 5590 7440 295 400 2950 40000 63-70 1200 675

Mk IIB FB

12× 30  333 2× 250lb   2× 45gal   8× RP3 XX 1185 1280 97 5620 7970 278 400 800 2530 33000 63-70 1200 675

Mk IIB FB

12× 30  333 2× 500lb   2× 90gal   8× RP3 XX 1185 1280 97 5620 8470 267 400 [––] 2280 30000 63-70 1200 675

Mk IIC

4× 20  91     XX 1185 1280 97 5745 7670 290 400 2780 36000 63-70 1200 675

Mk IIC FB

4× 20  91 2× 250lb   2× 45gal   8× RP3 XX 1185 1280 97 5785 8210 273 400 800 2400 32500 63-70 1200 675

Mk IIC FB

4× 20  91 2× 500lb   2× 90gal   8× RP3 XX 1185 1280 97 5785 8710 261 400 [––] 2160 29500 63-70 1200 675

Mk IIB Trop

12× 30  333     XX 1185 1280 97 5640 7540 290 400 2850 35500 63-70 1200 675

Mk IIC Trop

4× 20  91     XX 1185 1280 97 5800 7780 285 400 2650 34000 63-70 1200 675

Mk IIB Trop/LR

12× 30  333 2× 250lb   2× 45gal   8× RP3 XX 1185 1280 97 5640 8290 271 400 800 2400 33000 63-70 1200 675

Mk IIC Trop/LR

4× 20  91 2× 500lb   2× 90gal   8× RP3 XX 1185 1280 97 5800 8530 266 400 [––] 2280 31500 63-70 1200 675

Mk IIB-Sea

12× 30  333     XX 1280 1460 97 5620 7510 278 400 2780 35500 63-70 1200 675

Mk IIC-Sea

4× 20  91     XX 1280 1460 97 5770 7740 273 400 2670 34500 63-70 1200 675

Mk.II.D

2× 40  15     XX 1280 97 5699 8100 275 400 Flaps up 70-78

Mk.IV

2× 40  15 2× 500lb   2× 90gal   8× RP3 24/27 1620 97 - 8500 247 400 Flaps down 52-65
Mk.X = MkI
8× 30  333     P.28 1300 97 5257 6666 287 400 2520 40000 63-70 1050 615
Mk.XII = MkIIB
12× 30  333     P.29 1300 97 5257 6666 287 400 2520 40000 63-70 1050 615
Mk.XIIA = MkIIA
8× 30  333     P.29 1300 97 5257 6666 287 400 2520 40000 63-70 1050 615
Mk.IIA/Sea = XIIA
8× 30  333     XX 1280 1460 97 5257 6666 287 400 2520 30000 63-70 1050 615
Mk.XIIB = MkIIB
12× 30  333 2× 250lb   2× 45gal   8× RP3 P.29 1300 97 5257 6666 287 400 800 2520 40000 63-70 1050 615
-

PRODUCTION & OPERATORS

The list of operators is deliberaterly simplified, with airframes captured and used by their captors deliberately not referred to.  Production totals may not correlate with what is shown on the Serials page but refers to generally accepted numbers. (eg: 9230 II & IV).

Not much is shown here regarding the Sea Hurricanes operated by the Fleet Air Arm, but some will be found on the Serials page mentioned above, in particular the 60 Sea Hurricanes IIC (converted Hurricanes IIC re-serialled NF668-NF703 and NF716-NF739.

What is remarkable is the service life of the Hurricane with India, Portugal and Yugoslavia.  If some sources mention up to 135 aircraft operated after the war by Portugal, an interresting article reproduced further below refers to the use of 97 airframes.

UK Qty Aircraft Name 1956 1957 1958 1959 1960 1961 1962 1963 1964 1965 1966 1967
  RAF 3760 P1000 Hurricane.I Merlin.III

8×30 cal

1937 1939                        
  RAF 40 P1000  Hurricane.I Merlin.III

8×30 cal

1939 1940                        
Belgium 2 P1000  Hurricane.I Merlin.III

4×50 cal

1940 1940                        
Yugoslavia 20 P1000  Hurricane.I Merlin.III

8×30 cal

1940 1940                        
  RAF 450 P1000 Hurricane.IIA Merlin.XX

8×30 cal

1940 1942                        
  RAF 3450 P1000 Hurricane.IIB Merlin.XX

12×30 cal

1940 1942                        
  RAF 4720 P1000 Hurricane.IIC Merlin.XX

4×20 mm

1940 1942                        
  RAF 520 P1000 Hurricane.IV Merlin.XX

2×40 mm

1942 1942                        
  RAF 1 P1000 Hurricane.V Merlin.32

2×40 mm

~ ~                        
  RAF 490 P1000  Hurricane.X Pckrd–28

8×30 cal

1940 1942                        
  RAF 150 P1000  Hurricane.XI Pckrd–28

12×30 cal

1942 1942                        
  RAF 400 P1000  Hurricane.XII Pckrd–29

12×30 cal

1942 1943                        
                                       
UK/RAF ~ P1000 Hurricane.~     WW2 WW2                        
UK/FAA ~ P1000 Sea-Hurricane     WW2 WW2                        
USSR 2950 P1000 Hurricane.~     WW2 WW2                        
Belgium 20 P1000 Hurricane.I Merlin.III

8×30 cal

1939 1940                        
Belgium 2 P1000  Hurricane.I Merlin.III

4×50 cal

1940 1940                        
Canada 250 P1000  Hurricane.XII Pckrd–29

12×30 cal

1942 1947                        
Egypt 52 P1000 Hurricane.IIB Merlin.XX

12×30 cal

1943 1947                        
Finland 12 P1000 Hurricane.I Merlin.III

8×30 cal

1940 1944                        
India 70 P1000  Hurricane.XII Pckrd–29

12×30 cal

1943 1953                    
Ireland 20 P1000 Hurricane.I Merlin.III

8×30 cal

1941 1947                        
Portugal 37 P1000 Hurricane.IIB Merlin.XX

12×30 cal

1943 1954                    
Portugal 60 P1000 Hurricane.IIC Merlin.XX

4×20 mm

1943 1954                    
Romania 15 P1000 Hurricane.I Merlin.III

8×30 cal

1940 1944                        
South.Africa ~ P1000 Hurricane     WW2 WW2                        
Turkey 35 P1000 Hurricane.I Merlin.III

8×30 cal

1939 1946                        
Turkey 129 P1000 Hurricane.II Merlin.XX   1942 1947                        
Yugoslavia 24 P1000 Hurricane.I Merlin.III

8×30 cal

1939 1941                        
Yugoslavia 20 P1000  Hurricane.I Merlin.III

8×30 cal

1940 1941                        
Yugoslavia 16 P1000 Hurricane.IIC Merlin.XX

4×20 mm

1944 1951                    
-

Hawker Hurricane - Aeronáutica Militar e Força Aérea Portuguesa

Entrada ao serviço: 7 de Agosto de 1943
Data de abate: 1954

Source : https://altimagem.blogspot.be/2013/05/64-hawker-hurricane-primeira-parte.html

Dados técnicos
a) Tipo de Aeronave (modelos Mk IIb e Mk IIc) : Avião monomotor terrestre, de trem de aterragem convencional retráctil, de asa baixa, revestimento misto (parte traseira da fuselagem em tela), monoplano, monolugar de cabina coberta, destinado a missões de caça. Tripulação: 1 (piloto).
b) Construtor :mamanHawker Aircraft Ltd (Grã-Bretanha), Gloster Aircraft Co. Ltd (Grã-Bretanha), Canadian Car & Foundry Inc (Canadá)
c) Motopropulsor
Motor: 1 motor Rolls-Royce Merlin XX, de 12 cilindros em V arrefecidos por líquido, de 1.280 hp.
Hélice: de madeira, de três pás, de passo variável.
d) Dimensões e) Pesos f) Performances
Envergadura
Comprimento
Altura
Área alar
12.19 m
9.83 m
3.98 m
23.88 m²
Peso vazio
Peso máximo
-
2.335 kg
3.850 kg
Velocidade máxima
Velocidade de cruzeiro
Tecto de serviço
Raio de acção
547 km/h
420 km/h
12,200 km/h
770 km/h
g) Armamento
Mk IIb: 12 metralhadoras Browning calibre 7,7 mm instaladas no interior das asas e duas bombas de 113 ou 227 Kg suspensas nas asas;
Mk IIc: 4 canhões Hispano calibre 20 mm instalados no interior das asas e 227 Kg de bombas suspensas nas asas.

Resumo histórico:

O Hawker Hurricane foi, sem dúvida, a mais famosa criação de Sir Sydney Camm, engenheiro da Hawker Aircraft Ltd., a quem se deve outros projectos que fizeram história, como os Hawker Hart, Hind e Fury e o relativamente recente Harrier. A AMS (Air Ministry Specification) F.7/30 foi o ponto de partida. Em Outubro de 1933, Sir Camm discutiu com o Ministro do Ar os preliminares de um projecto cuja designação passou por diversas alterações. Inicialmente designado por Private Venture Fury Monoplane, passou, em Janeiro de 1934, para Private Venture Interceptor Fighter e, em Setembro desse ano, para Hawker High-Speed Monoplane. Finalmente terminou como Hawker Hurricane.

O protótipo do Hawker Hurricane realizou o primeiro voo de teste em 6 de Novembro de 1935, pulverizando uma série de recordes: Atingiu a velocidade máxima de 506 Km/h (314 mph) a 5.000 metros de altitude e subiu desde o nível do mar até aos 4.500 metros (14.760 pés) em 5 minutos e 7 segundos. Não obstante estas espectaculares marcas, não recebeu de imediato qualquer encomenda por parte das entidades oficiais. A Hawker, consciente da qualidade do avião que tinha projectado, tomou a iniciativa de preparar as linhas de montagem. A ordem oficial para a construção dos Hurricane não demorou muito: em 3 de Junho de 1936 foi emitida a ordem de encomenda inicial de 600 unidades – extraordinária para a época – seguindo-se outras ainda mais substanciais.

O primeiro Hawker Hurricane Mk I saiu das linhas de montagem em 12 de Outubro de 1937 e, dois meses depois, já equipava algumas das esquadras de caça do Comando de Caça da Royal Air Force (RAF).  Quando a Grã-Bretanha entrou na II Guerra Mundial, em 1939, a RAF dispunha de 497 Hawker Hurricane, que equipavam 18 esquadras.

Em meados de Julho de 1940, quando os alemães iniciaram os bombardeamentos maciços sobre a Inglaterra, facto que viria a ficar na História como a “Batalha de Inglaterra”, a RAF dispunha de 26 esquadras equipadas com Hurricane.

Um mês depois, 2.309 Hurricane equipavam 32 esquadras, enquanto que os Supermarine Spitfire equipavam somente 19 esquadras.  As diferenças de performances entre estes dois extraordinários aviões reflectiu-se na táctica da sua utilização. Os Spitfire enfrentavam os caças germânicos e os Hurricane abatiam os bombardeiros. 

Ambos desempenharam as suas tarefas brilhantemente, neutralizando os intentos do inimigo, dando motivo à célebre frase do então Primeiro Ministro Britânico Sir Winston Churchill: “Nunca tantos deveram tanto a tão poucos”.

Os Hawker Hurricane utilizavam motores Rolls-Royce Merlin II de 1.030 hp, hélices Watts de duas pás e passo fixo, as asas e parte da fuselagem revestidas a tela e dispunham, como armamento básico, 8 metralhadoras Browning calibre 7,7 mm com fitas de 333 munições cada, instaladas nas asas (4+4). A Hawker aperfeiçuou o modelo original, dotando-o de hélices Rotol de três pás e passo variável, assim como as asas passaram a ter revestimento metálico. Do constante esforço para melhorar o avião, resultaram os Hurricane Mk IIa, com o motor Merlin XX de 1.280 hp, cujo protótipo foi ensaiado em 11 de Junho de 1940 e que entraram ao serviço em Agosto desse ano.  Seguiram-se as versões Hurricane Mk IIb, com 12 metralhadoras 7,7 mm e a capacidade para transportar duas bombas de 227 Kg; Hurricane Mk IIc, com 4 canhões Hispano de 20 mm e capaz de transportar 227 kg de bombas, e o Hurricane Mk IId, com dois canhões Vickers de 40 mm.

Os Hurricane Mk II viram também o seu raio de acção aumentado, graças à possibilidade de poder usar depósitos de combustível auxiliares sob as asas, largáveis em voo. Desta forma, os Hurricane passaram a operar como caças e caças-bombardeiro. Quando utilizados nesta modalidade chamavam-lhes os “ Hurribomber”.

Percurso em Portugal

Source : https://altimagem.blogspot.be/2013/05/64a-hawker-hurricane-segunda-parte.html

Aeronáutica Militar

Os primeiros 6 Hawker Hurricane portugueses, do modelo Mk IIc, eram provenientes das bases britânicas estacionadas na Líbia. Fazendo escala em Gibraltar, aterraram na Base Aérea N° 2 (BA2), Ota, no dia 7 de Agosto de 1943. O transporte destes aviões foi uma operação a que a RAF atribuiu o nome de código “Mildew”.

A missão imediata destes aviões foi a adaptação dos pilotos portugueses a este avião de caça, ministrada pelos pilotos britãnicos que os transportaram desde a Líbia. Os respectivos números de série da RAF não são conhecidos com exactidão. Sabe-se que a Aeronáutica Militar (AM) lhes atribuiu numeração provisória, usando os três últimos algarismos da matrícula da RAF: 354, 358, 459, 488, 840 e 964, que foi usada até Outubro seguinte. Parece que esta medida foi devida à necessidade de despistar os espiões que, na época, abundavam em Portugal. Com estes seis aviões foi formada a primeira esquadrilha portuguesa de Hurricane com o indicativo de código VX.

Entre 26 de Agosto de 1943 e Março de 1944 chegaram a Portugal, por via marítima, os restantes 97 Hawker Hurricane, essencialmente dos modelos Mk IIb e Mk IIc.

Foram distribuídos por cinco esquadrilhas, de forma a que cada esquadrilha ficasse equipada com aviões do mesmo modelo. Como referido acima, a primeira a ser constituída foi a Esquadrilha VX, da BA2, com 21 Hurricane Mk IIc, entre eles os primeiros seis, recebidos em 7 de Agosto de 1943. As outras esquadrilhas foram as seguintes:

Esquadrilha VX colocada na BA2 com 21 aviões Mk IIc
Esquadrilha GL colocada na BA2 com 18 aviões Mk IIc
Esquadrilha SU colocada na BA2 com 21 aviões Mk IIc
Esquadrilha TY colocada na BA2 com 15 aviões Mk IIb
Esquadrilha RV colocada na BA1 com 22 aviões Mk IIb (aviões Mk IIb e os Mk Xb, Mk XIb e Mk XIIb de origem canadiana, convertidos em Mk IIb)
97

As esquadrilhas mantém as colocações até 1 de Maio de 1944, data em que se verificam algumas alterações: - A Esquadrilha RV é transferida da BA1 para o Aeródromo de Espinho, constituindo-se em Esquadrilha Independente de Aviação de Caça (EIAC). A partir de 1948, em conjunto com a Esquadrilha VX, passa a integrar o Grupo Independente de Aviação de Caça (GIAC), em Espinho; - É constituída a Esquadrilha MP, sediada na BA1, para fins de instrução operacional de pilotos, absorvendo aviões de todas as outras esquadrilhas; - As Esquadrilhas GL, SU e TY são transferidos da BA2 para a BA3; - A Esquadrilha VX passa também a EIAC e é colocada no Aeroporto de Lisboa, oficialmente designado por Campo-Base de Lisboa. Em Agosto de 1946 é transferida para a BA3 e integrada no então recém formado Grupo de Esquadrilhas de Caça daquela Base. No entanto, não fica muito tempo nesta colocação, sendo transferida para Espinho em Janeiro de 1947. Em 1948 integrou com a Esquadrilha RV, o GIAC de Espinho.

Entre Abril e Setembro de 1947 foram recebidos mais 44 Hawker Hurricane Mk IIc e 1 Hawker Hurricane Mk IIb, fazendo de Portugal um dos dois países que receberam este avião no pós-guerra, juntamente com o Irão. Estes 45 Hurricane foram distribuidos pelas esquadrilhas existentes.  Entre  1949 e 1952 foram abatidos muitos Hurricane, por estarem a atingir o limite de operacionalidade. Em Julho de 1951, cinco Hurricane da Esquadrilha VX deslocam-se à Grã-Bretanha em visita ao Fighter Command da RAF e para participar num filme sobre a Batalha de Inglaterra.

Entretanto, é extinto o GIAC de Espinho e as Esquadrilhas RV e VX, sendo os seus aviões distribuídos pelas esquadrilhas estacionadas na BA1 e na BA3.  No início de 1952, as três esquadrilhas da BA3 dispunham de 53 Hawker Hurricane no seu efectivo. Contudo, em Maio desse ano apenas voavam 12, em Agosto 5 e em Outubro não mais de 2.

Entre Maio e Outubro foram transferidos alguns para a Esquadrilha MP, na BA1. Admite-se que a actividade dos Hurricane na BA3 tenha terminado em Outubro de 1952.  A numeração que a AM atribuiu a estes aviões é um verdadeiro quebra-cabeças com vários componentes. Até fins de 1943, os Hurricane existentes ostentaram números de matrícula provisórios ou falsos. Esta medida, provavelmente para iludir espiões, acabou por confundir todos os que pretendem reconstituir a história dos Hurricane em Portugal. A ausência de documentação da época não permite estabelecer a relação entre os números de série e a numeração da AM.

Afigura-se que a atribuição de numeração definitiva, aplicada em princípios de 1944, teve em consideração as versões das aeronaves, sendo de admitir que os serial number e as datas de recepção também tenham tido alguma influência. De qualquer forma, os Hurricane receberam a numeração da AM de 510 a 651 inclusive. O parecer acima exposto é reforçado com o facto de se saber que os primeiros seis Hurricane que chegaram a Portugal receberam os números de 540 a 545. Os últimos 45, recebidos durante o ano de 1947, foram numerados de 607 a 651.

Com tão elevada quantidade de Hawker Hurricane, aos quais se juntavam uma centena de Supermarine Spitfire, Portugal dispôs na segunda metade da década de quarenta de um impressionante poderio aéreo, com aviões actualizados, facto que não se tornou a repetir, pelo menos com igual dimensão.  Infelizmente, os acidentes com os Hurricane ocorriam com alguma frequência, destruindo muitos aviões e vitimando um número significativo de pilotos.  Quanto à pintura, mantiveram sempre a camuflagem dos caças diurnos da RAF, com as superfícies superiores em verde e cinzento escuros e as inferiores em azul-céu. Ostentavam a Cruz de Cristo sobre círculo branco em ambas as faces das asas.  Nos lados da fuselagem tinham a Cruz de Cristo, sem círculo branco, ladeada pelas letras da esquadrilha pintadas a branco e ainda o número de matrícula, perto do estabilizador horizontal, também a branco.  Nos lados do estabilizador vertical encontrava-se um rectângulo com as cores nacionais, sem escudo. Os bordos de ataque das asas, entre os faróis de aterragem e os extremos das asas, estavam pintados a amarelo, numa estreita faixa. Alguns apresentavam também parte dessa faixa a vermelho.  Parece que o esquema era aplicado aos aviões do modelo Mk IIb, pintando de vermelho a parte do bordo de ataque onde estavam instaladas as metralhadoras.  A pintura era completada com as cores das esquadrilhas, visíveis no cubo do hélice e numa faixa em torno da fuselagem, perto da cauda. A Esquadrilha GL usava o azul, a RV o amarelo, a SU o branco, a TY o vermelho e a VX o verde. A MP, que também usava a cor verde, apresentava uma espiral branca no cubo do hélice.

Algumas destas esquadrilhas pintavam os seus distintivos no painel esquerdo do motor. O distintivo da MP era composto por um saloio com um varapau, com a legenda “Antes quebrar que torcer”; a RV por um galo a cantar, com a legenda “Agora canto eu”; a VX por um aviador com asas de libélula, empunhando um canhão de avião, com a legenda “Ou vai ou racha”. Não há notícias dos distintivos das outras esquadrilhas (emblemas das Esquadrilhas RV e VX)

Força Aérea

Em maio de 1952 é criada a Força Aérea Portuguesa (FAP) e extinta a AM, bem como a Aviação Naval (AN).  Quando a FAP recebeu os Hawker Hurricane já poucos restavam. Na numeração de quatro algarismos, coube-lhes o bloco 4200, que nunca chegou a   ser aplicado. Foram reunidos na BA1 para serem utilizados na instrução operacional de alunos-pilotos. Em Fevereiro de 1954 ainda se encontravam operacionais 23 Hurricane.  Em 4 de Agosto de 1954 o Ministro da Defesa determina que sejam interrompidos todos os trabalhos de recuperação dos Hurricane e Spitfire. No fim desse mês, o Chefe do Estado-Maior da Força Aérea (CEMFA) ordena o abate de todos os Hurricane.

Enquanto serviram na FAP, os Hurricane não foram alvo de significativas modificações no seu aspecto. Mantiveram a pintura original e não actualizaram as insígnias para o padrão da FAP.  As letras das esquadrilhas desapareceram da fuselagem, substituídas por três grandes algarismos brancos da matrícula da AM. Durante algum tempo ainda mantiveram a letra de ordem da esquadrilha, mais tarde retirada. A Cruz de Cristo da fuselagem manteve-se como do anterior, sem círculo branco.       O último voo de Hurricane foi realizado pelo 615 em 5 de Junho de 1954, na Base Aérea N° 1.

Tal como aconteceu com muitos outros aviões que ficaram na História da Aviação Militar Portuguesa e Mundial, os Hawker Hurricane foram abatidos sem que algum fosse atribuído ao Museu do Ar.

Fotos: FAP / AHFA - Força Aérea Portuguesa / Arquivo Histórico da Força Aérea;
Plano: Cortesia de Richard Ferriere - 3 vues;
Texto e Imagem A: "Aeronaves Militares Portuguesas no Século XX" - Adelino Cardoso - Edição ESSENCIAL, Lisboa, 2000.